quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Diferenças entre língua popular e língua culta

É possível identificar duas variantes básicas que, embora compartilhando o mesmo núcleo lingüístico, apresentam diferenças consideráveis quanto aos aspectos morfossintático, léxico e fonológico: a linguagem culta ou padrão e a linguagem popular. A primeira detém maior prestígio social, enquanto a segunda, de menor prestígio, é utilizada pelas classes populares e/ou nas situações sociais de menor formalidade. De modo geral pode-se afirmar que a variante padrão está mais relacionada às regras da gramática tradicional e aos exemplos da língua escrita literária, que são mais conservadores, enquanto a variante popular está mais aberta às transformações da linguagem oral.
Para representar essas diferenças nós estudantes da faculdade Castro Alves fizemos três entrevistas com pessoas de faixa etária diferentes (24,34,16)e escolaridade diferentes ( ensino superior, ensino ginasial e ensino médio) nessa entrevista foram utilizadas 8 perguntas que foram escolhidas pela professora Bianca para realização do trabalho, abaixo as entrevistas:

1ª entrevista:

Duração 5 minutos.
Data: 06/11/09
Informante: Dilma Faixa etária: 24 anos
Naturalidade: Salvador/BA
Escolaridade: Curso superior incompleto
Residência: Brotas
Residência fora de Salvador: Não
Profissão: Bancário
Estado Civil: Solteiro
Religião: Evangélica

Documentarista: Marcelo
D. Qual o meio de comunicação que você usa para se atualizar e obter informações do dia-a-dia?
I. Internet, por ser um meio de informação rápida
D. Você é religioso? O que essa instituição promove a você e a comunidade?
I. Sim, sou evangélica, ela me dá uma nova visão de mundo, é uma nova esperança de vida pras pessoas do meu bairro
D.Em qual ambiente de convívio e atuação você se sente melhor?
I. Faço parte de vários ambientes, faculdade, trabalho, instituição religiosa, me sinto bem em todas elas, mas a que me sinto melhor é a religiosa.
D. Qual seu papel dentro da instituição familiar?
I. Eu sou conselheira, sou amiga, sou irmã, e alem de tudo sou mantenedora da minha residência.
D. Os órgãos públicos de sua cidade satisfazem suas necessidades básicas?
I. Não, a necessidade é gritante, a demanda é alta pra pouca oferta, as pessoas não são bem tratadas, enfim a serviço público não atendem as expectativas do povo
D. Se você fosse líder em alguma organização, o que você transformaria em prol da sociedade?
I. Aproveitaria o trabalho social que as empresas fazem, investindo demasiadamente na educação, a educação é à base de tudo, um país educado é um país desenvolvido e evoluído
D.A sua empresa fornece curso de capacitação e / ou entretenimento para os funcionários?
I. Sim, varias vezes eu participei, quase que semestralmente
D. Você já sofreu algum tipo de preconceito dentro da instituição em que você trabalha? Se sim, qual foi sua reação?
I. Não, não sofri.
D. Obrigada.
I. Obrigado a você.

2ª entrevista:

Duração 5 minutos.
Data: 06/11/09
Informante: Luciana Costa Faixa etária: 34 anos
Naturalidade: Salvador/BA
Escolaridade: Ensino Fundamental II
Residência: Itapuã
Residência fora de Salvador: Não
Profissão: Doméstica Estado Civil: Solteira
Religião: Católica


Documentarista: Marcelo
D. Qual o meio de comunicação que você usa para se atualizar e obter informações do dia-a-dia?
I. Televisão, rádio, telefone.
D. Você é religiosa? O que essa instituição promove a você e a comunidade?
I. Sim, hum minha opinião é a seguinte é uma coisa assim, religião que agente segue, eu gosto muito, de vez enquando aos domingos eu vou e pela comunidade agente faz muitas coisa, também pelas pessoa mais fracas.
D.Em qual ambiente de convívio e atuação você se sente melhor?
I. eu pra ser sincera a você, eu me sinto melhor no ambiente de trabalho que eu me divirto, converso e com meus familiares não que agente briga muito.
D. Qual seu papel dentro da instituição familiar?
I. na minha,na minha opinião na minha família eu que cuido da minha casa eu que resolvo tudo cuido de tudo é sempre eu agora como tem meu marido é so nois dois que divide as coisas.
D. Os órgãos públicos de sua cidade satisfazem suas necessidades básicas?
I. não, não é o suficiente porque eles não melhora em nada a parte da saúde é horrível as criança sempre doente os idoso sempre doente, ficam na porta dos hospitais , acaba morrendo, nunca tem atendimento medico pra gente ai acaba acontecendo sempre as morte .
D. Se você fosse líder em alguma organização, o que você transformaria em prol da sociedade?
I. Eu comandaria a coisa da saúde pras criança, pros idoso, melhoria mais, “como é?”, Corrupção do mundo, entendeu e também melhoria mais as pessoas humildes que precisa mais da ajuda da gente
D.A sua empresa fornece curso de capacitação e / ou entretenimento para os funcionários?
I. Eu na casa de sua mãe aprendi muitas coisas, quando eu cheguei aqui eu não sabia fazer nada, aprendi a cozinhar, agora eu sei, não sei cozinhar igual a ela mais to chegando lá.
D. Você já sofreu algum tipo de preconceito dentro da instituição em que você trabalha? Se sim, qual foi sua reação?
I. Eu até hoje nunca sofri nada de cor de que eu so menor, pequena, humilde, pra mim até hoje eu nunca sofri nada em matéria de trabalho.
D. Muito obrigado Luciana.
I. Obrigada você.

3ª entrevista:

Duração 5 minutos.
Data: 06/11/09
Informante: Caique Berbert Pinto Faixa etária: 16 anos
Naturalidade: Salvador/BA
Escolaridade: Ensino médio
Residência: Itapuã
Residência fora de Salvador: Não
Profissão: Estudante Estado Civil: Solteiro
Religião: Católica


Documentarista: Marcelo
D. Qual o meio de comunicação que você usa para se atualizar e obter informações do dia-a-dia?
I. Bom é, normalmente eu uso a internet, que é o que eu... no meu dia-a-dia é o que eu mais uso, mais também tem ás vezes eu uso a televisão, é jornal muito raro eu ler que eu não gosto muito de ler né por enquanto é só TV e internet mesmo.
D. Você é religiosa? O que essa instituição promove a você e a comunidade?
I. Hum... Não, eu acredito em deus, más não gosto nem de ir pra igreja nem de ficar nesse lero ai e tal, só sou religião, tenho fé mais não...
D.Em qual ambiente de convívio e atuação você se sente melhor?
I. Bom é, cada ambiente tem sua situação né, tem minha família, meus amigos, na escola, todos os ambientes eu me.. Eu me dou muito bem né, com minha família, com meus amigos, na minha escola, todo mundo assim sempre interage muito bem comigo, eu gosto de todo mundo e então não tem na verdade um ambiente que eu prefira entendeu, cada um tem sua qualidade.
D. Qual seu papel dentro da instituição familiar?
I. é sô ...sou apenas dependente não tenho muito papel assim na família não.
D. Os órgãos públicos de sua cidade satisfazem suas necessidades básicas?
I. Bom, na minha opinião não, porque eu acho que os órgãos públicos estão muito precários assim sabe, em relação a saúde a.. Essas coisas assim, ta muito ruim eu acho que poderia melhorar bastante que a situação não ta muito boa não.
D. Se você fosse líder em alguma organização, o que você transformaria em prol da sociedade?
I. bom, se eu fosse líder eu transformaria xô ver... eu transformaria a rede de hospitais da minha população porque não ta muito bem servida a população em relação a hospitais ta muito precário isso, essa situação. Transformaria xô ver... a rede de transportes que ta ocorrendo muitas greves dos ônibus, o povo ta sendo muito prejudicado com isso, perdendo horários, entrevistas, concursos, provas de vestibular, tudo por causa desses conflitos ai entre governo e a rede de transportes...Eu acho que só, por enquanto só penso nisso.
D. Você já sofreu algum tipo de preconceito dentro da instituição em que você trabalha? Se sim, qual foi sua reação?
I. Bom, não, na minha escola como eu estou lá a muito tempo todo mundo assim gosta de mim, entendeu, então não tive nenhum tipo de preconceito, nenhum tipo assim ... sei lá , nenhum tipo de discriminação. Todo mundo lá é muito amigo, todo mundo simpatiza um com o outro, então não tem relação nenhuma assim de conflito e discriminação lá no colégio.
D. Muito obrigado caíque
I. Valeu, brigado.

A entrevista foi feita com diferentes idades e níveis culturais, notamos alguns erros na concordância, gírias , e erros de português , percebemos também que as variantes lingüísticas tem uma série de fatores que fazem essa diferença, tais como: classe social , faixa etária, modismos , entre outros, percebemos que o modo de falar não é igual ao modo escrito onde na escrita existe uma norma padrão e na fala isso não acontece.

Abaixo, Videos referente as entrevistas acima.
Entrevista 1:http://www.youtube.com/watch?v=zCTGXVzfQag
Entrevista 2:http://www.youtube.com/watch?v=l5e5VxuyNUQ
Entrevista 3:http://www.youtube.com/watch?v=tbWYTR4KAE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário